domingo, 12 de setembro de 2010

Nada como se propor o auto-conhecimento. Alguns olhares, conversas, brigas... No meio de uma conversa frívola com o próprio coração, nos descobrimos apaixonados. Um inicio tímido do amor-próprio, suficiente para revolucionar nosso universo intimo.

Um comentário:

Gabi Pires disse...

Saudades mana.

Beijos